top of page
  • citebonline

Marketing/ 3 Comportamentos do Consumidor Brasileiro Pós-Pandemia




(Imagem de Freepik)


Para quem acha que já foram superadas as consequências da pandemia de COVID-19, repense. A verdade é que os hábitos das pessoas em todos os cantos do planeta estão mudando, principalmente os de consumo, e os empresários e estrategistas não podem ignorar esse fato. Nem mesmo aqueles que atuam apenas no mercado brasileiro.


A EY-Pathernon realizou a 10a edição do FCI (Future Consumer Index), pesquisa sobre o comportamento dos consumidores entre 22/23. Nesse texto que o CITeB traz estão apenas considerações quanto às expectativas dos brasileiros para os próximos meses.


Curto Prazo

A pandemia trouxe um olhar mais cauteloso quanto ao futuro. Por exemplo, em outubro de 21, 50% dos brasileiros entrevistados se disseram otimistas para o próximo ano. Já em outubro de 22, apenas 33% se colocaram dessa forma. Porém, quando com mais prazo, 79% dos brasileiros consideram que a vida será melhor nos próximos 3 anos.


A justificativa é a incerteza macroeconômica, uma vez que os preços tendem a aumentar, especialmente nos itens de primeira necessidade. Resultado: 91% dos entrevistados estão preocupados com suas finanças.


Marcas Próprias

Para que não deixem de consumir produtos que consideram importantes, os consumidores brasileiros estão se importando menos com marcas e mais com preços. 46% dos entrevistados afirmaram buscar novas marcas e 36% trocaram fornecedores renomados por marcas private label (marcas próprias).


Dada a preocupação financeira, 83% dos brasileiros disseram que estão sendo mais cautelosos com seus gastos futuros e 78% estarão mais focados no valor do dinheiro. Dessa forma a compra de itens supérfluos deve diminuir, especialmente se o valor estiver fora do orçamento.


Meios Digitais

Na busca por opções mais em conta, as ferramentas digitais de consumo se tornaram essenciais. O brasileiro perdeu o receio de fornecer seus dados confidenciais para que as ofertas cheguem personalizadas, disseram 71% dos entrevistados e 68% se as opções forem ainda mais em conta.


Embora a preocupação quanto a segurança exista, pois 54% dos entrevistados afirmaram preferir sites, aplicativos e outros que demonstram maior garantias quanto a privacidade e segurança quanto ao uso dos dados. Os consumidores da Geração Z e Millenials são menos preocupados em relação aos compradores da Geração X e Baby Boomers.


Dados interessantes no comércio digital:

  • 58% dos entrevistados compraram itens não alimentares nos últimos 3 meses;

  • 41% fizeram compras de supermercado online;

  • 46% estimam aumentar suas compras online em relação à lojas físicas;

  • 73% esperam usar menos dinheiro vivo nos próximos 3 anos;

  • 20% dos brasileiros já experimentaram moedas digitais.

Tendências

Uma vez que os hábitos de consumo dos brasileiros estejam mudando, as empresas precisam mudar também. A interação do mundo real com o digital é um caminho sem volta. Como já acontece entre as compras físicas e pagamentos digitais, os multicanais deixaram de ser tendência.


A expectativa nos próximos anos é que lojas físicas de grandes marcas sirvam como showroom, criando experiências entre os consumidores, enquanto as vendas ocorram no universo digital. O único item que os brasileiros dizem que devem preferir a compra física nos próximos anos são os alimentos frescos.





Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page